Bar do Juarez


Fundação Abrinq

Beephoto

Villa Betto Brunelli

banner_animais.jpg

Epilepsia em cães e gatos Versão para impressão
Animais | Saúde Animal
Escrito por Dra. Carla Berl on Sexta, 09 Janeiro 2015 10:16   


Epilepsia cães e gatos-2


A epilepsia (ou convulsão) é relativamente comum nos cães e muito menos frequente nos gatos, aparecendo de forma repentina.


O que é epilspsia (ou convulsão)?

É uma excessiva descarga de energia elétrica nas células do cérebro, pois elas funcionam com impulsos elétricos. A epilepsia manifesta-se quando o animal tem entre 6 meses e 5 anos de idade, variando de animal para animal em freqüência e intensidade. É relativamente comum nos cães e muito menos freqüente nos gatos, aparecendo de forma repentina.


Como a doença se apresenta?

São contrações musculares bruscas e involuntárias que raramente duram mais que 5 minutos, mas às vezes o proprietário tem a impressão que duram mais.

• Antes de ter o episódio convulsivo, durante aproximadamente 1 minuto o animal se mostra ansioso, carente, pode se esconder e suas pupilas ficam dilatadas.

• Durante a convulsão ele pode urinar ou defecar, perdendo ou não a consciência, salivar, ter movimentos de pedalar ou estender as patas, rotacionar os olhos.

• Após a convulsão pode haver um estado de confusão mental, fraqueza, respiração rápida e às vezes fraqueza.


Como agir se o animal está convulsionando?

• Remova todos os objetos de perto do animal para que ele não se machuque.

• Tenha cuidado, pois mesmo que seja dócil, o animal pode morder involuntariamente durante as convulsões.

• Na medida do possível mantenha a calma pois os animais se prejudicam com a agitação no ambiente.

• Depois de finalizada a convulsão propicie um ambiente tranqüilo para que ele se recupere.

• Uma vez que a medicação demora de 20 a 30 minutos para começar a agir, não há sucesso em tentar medicar o animal em casa durante a crise.


Quais os riscos para o animal?

• Ao contrário da espécie humana, os cães não correm risco de enrolarem a língua e morrerem asfixiados pois sua anatomia muscular é diferente.

• Existe um estado clínico que se chama “status epilepticus” caracterizado por várias convulsões sucessivas. É uma emergência médica e o animal deve ser levado imediatamente ao médico veterinário, pois isto pode ser fatal.


Por quê o animal tem convulsão?

A exata causa não se sabe, mas em muitos casos esta condição é hereditária, aparecendo em quase todas as raças de cães. Trabalhos científicos indicam que de 0,5 a 5 % da população canina apresentam sinais de epilepsia durante a vida. Além da epilepsia, outras doenças também podem dar convulsões.


Há tratamento?

É importante ficar claro que o tratamento para a epilepsia não cura, mas controla o aparecimento das convulsões em freqüência, intensidade e duração.

• O Fenobarbital (Gardenal®) controla convulsões em 80 % dos cães epiléticos.

• São necessários de 8 a 18 dias de tratamento para que esta droga atinja uma concentração ideal no sangue, portanto seja paciente, tendo consciência que no início as convulsões podem não cessar – é uma fase de adaptação.

• Ainda que pouco observados, há alguns efeitos colaterais do uso prolongado do Fenobarbital: principalmente acometimento do fígado e aumento de peso.

• Não deixe de dar o Fenobarbital repentinamente e certifique-se que está fornecendo corretamente, pois o animal pode expelir discretamente o comprimido, pois do contrário podem-se acentuar as convulsões.

• Além de medicação, alguns proprietários optam por tratamento conjunto com vitaminas e acupuntura.


Acompanhamento veterinário

• Periodicamente devem ser feitos testes para avaliar como está o fígado e se a quantidade do medicamento no sangue está adequada (dosagem sérica de Fenobarbital).

• Com o tempo pode ser necessário aumentar a dose da medicação pois o organismo pode desenvolver certa tolerância – talvez seja necessário aumentar a dose ou trocar o medicamento (só o médico veterinário pode fazer isto!).

• Alguns anestésicos como acepromazina e quetamina não podem ser usados em animais predispostos a terem convulsões.

• Evite situações de estresse e fique atento se elas forem inevitáveis (fogos de artifício, visitas em casa...).


Confira também:
Calendário de vacinação dos pets


Foto: reprodução


Dra. Carla Berl
Dra. Carla Berl
Médica veterinária
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript ativado para o visualizar
www.petcare.com.br

Pin It
 

Twitter em Destaque

Siga DestaqueSp no Twitter